Páginas


sexta-feira, 18 de fevereiro de 2022

Em Poção de Pedras

Famílias desabrigadas após inundação em Poção de Pedras recebem ajuda da Defesa Civil

Mesmo após os volumes dos igarapés da região retornarem à normalidade, a cidade ainda permanece em alerta de monitoramento pela Defesa Civil.



Cerca de dez famílias estão desabrigadas em Poção de Pedras, após uma forte chuva que alagou a cidade nessa quarta (16). Com o grande volume de água, a enxurrada invadiu casas e arrastou produtos no centro comercial do município.

As dez famílias desabrigadas já foram incluídas no benefício Aluguel Social e estão recebendo apoio de cestas básicas e colchões.

“Desde ontem a gente está com uma parceria com a Secretaria de Saúde, que tem dado esse apoio com a distribuição de colchonetes, cobertores e utensílios para alimentação. Estamos nesse trabalho para fazer o melhor atendimento possível”, afirma Marly Holanda, Secretária de Assistência Social da cidade.

Mesmo após os volumes dos igarapés da região retornarem à normalidade, a cidade permanece em alerta de monitoramento pela Defesa Civil.

Para prestar apoio às famílias atingidas pela enchente, o Corpo de Bombeiros ainda mantém equipes operacionais na região. Uma equipe da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil também está no local realizando um completo levantamento dos danos causados.



Relembre o caso

Nessa quarta (16), uma forte chuva provocou vários prejuízos na cidade de Poção de Pedras. O ponto de maior concentração de água foi na avenida Manuel Máximo, que é a principal do centro comercial da cidade. O nível da água na área chegou a subir cerca de 1 metro de altura.

Durante todo o dia, voluntários se juntaram para ajudar a recuperar parte dos bens que foram atingidos pela água, pois com a inundação, muitos moradores e comerciantes perderam mercadorias. Segundo o Major Roberto Rodrigues da Defesa Civil Estadual, o prejuízo foi causado pelas famílias se instalarem em regiões muito próximas dos igarapés.

“Foi a própria falta de percepção de risco que as famílias têm ao se instalarem nas proximidades desses igarapés”, ressalta Roberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário