Páginas


terça-feira, 30 de novembro de 2021

Policial Militar matou médico em Imperatriz é expulso da PM

O Conselho de Disciplina da Polícia Militar do Maranhão julgou procedente as acusações contra o policial Adonias Sadda Sousa Costa e decidiu por sua exclusão dos quadros da corporação.

Adonias é acusado de assassinar o médico Bruno Calaça Barbosa, com um tiro à queima-roupa, no dia 26 de julho deste ano. Bruno tinha 24 anos e estava em uma festa na Avenida Beira-Rio, em Imperatriz, quando foi atingido por um tiro no peito.

Conforme publicado no boletim geral n° 218 de 23 de novembro de 2021, tornado a público hoje, Adonias foi excluído da PMMA “por ter tido conduta que afetou a honra pessoal, o decoro da classe e pundonor militar e ainda por contrariar o art. 40, incisos I, III, IV, XI, XII, XV e XVIII, da Lei n. 6.513/1995”.

Agora ex-PM, Adonias segue preso em São Luís e aguarda julgamento por homicídio duplamente qualificado.

O crime

O assassinato do médico Bruno Calaça ocorreu em Imperatriz, na madrugada do dia 26 de julho deste ano, por volta das 3h30, no fim de uma festa, no bar Dell Lagoa, na Avenida Beira-Rio, em Imperatriz.

Tudo começou quando um empresário do ramo de autopeças, identificado como Waldek, teria ‘esbarrado’ algumas vezes na jovem Luna Lemos, namorada de um irmão de Bruno, o que teria sido interpretado como assédio, como se o empresário estivesse querendo ‘dar em cima’ da garota. Waldek estava acompanhado de um outro empresário, identificado como Ilker, também do ramo de autopeças, e de Ricardo Barbalho, que seria advogado.

Com informações do Gilberto Lima 

Nenhum comentário:

Postar um comentário