window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-SS4D0CGZVY'); Pastor Moises Martins

Páginas


quarta-feira, 19 de junho de 2024

Mulher testemunha cura de câncer raro e agressivo após médicos dizerem que morreria 

Um câncer raro se apresentava como um inimigo implacável para uma mulher, mas Deus respondeu suas orações e agora ela conta seu testemunho de milagre para todo o mundo. 

Jaylee Robinett ouviu dos médicos que iria morrer por conta de um câncer raro e agressivo. Segundo ela, foi dito pelos especialistas que seu caso era um dos piores já registrados em todos os hospitais da Austrália, seu país.


“A carga mutacional do meu tumor foi 5 vezes maior do que a de qualquer paciente que já passou por um dos maiores hospitais de câncer dos EUA. Um dos mais altos já registrados em todo o mundo. Eu tinha um tumor criando seu próprio osso rasgando meus tecidos moles”, resumiu Jaylee em sua conta no Instagram.


No cenário apresentado, os médicos foram francos em dizer que não havia cura. Um especialista renomado dos EUA a atendeu e afirmou que o cenário era desesperador: “Se você não começar a quimioterapia agora, é melhor pular de cara de um prédio de 10 andares”.


Ao mesmo tempo, os médicos na Austrália a avisaram que sua morte era iminente já que ela havia se recusado uma cirurgia radical: “Meu médico disse que não havia cura”, reiterou Jaylee, explicando que o procedimento proposto incluía a remoção do seio, parede torácica e parte das costas para impedir que as células cancerígenas se espalhassem. Jaylee Robinett ouviu dos médicos que iria morrer por conta de um câncer raro e agressivo. Segundo ela, foi dito pelos especialistas que seu caso era um dos piores já registrados em todos os hospitais da Austrália, seu país.


“A carga mutacional do meu tumor foi 5 vezes maior do que a de qualquer paciente que já passou por um dos maiores hospitais de câncer dos EUA. Um dos mais altos já registrados em todo o mundo. Eu tinha um tumor criando seu próprio osso rasgando meus tecidos moles”, resumiu Jaylee em sua conta no Instagram.


No cenário apresentado, os médicos foram francos em dizer que não havia cura. Um especialista renomado dos EUA a atendeu e afirmou que o cenário era desesperador: “Se você não começar a quimioterapia agora, é melhor pular de cara de um prédio de 10 andares”.


Ao mesmo tempo, os médicos na Austrália a avisaram que sua morte era iminente já que ela havia se recusado uma cirurgia radical: “Meu médico disse que não havia cura”, reiterou Jaylee, explicando que o procedimento proposto incluía a remoção do seio, parede torácica e parte das costas para impedir que as células cancerígenas se espalhassem.


“Eles disseram que meus exames voltariam com a propagação do câncer. Disseram que o câncer tomaria conta do meu corpo em poucas semanas”, lembrou ela, contando o que ouviu quando rejeitou a proposta de cirurgia radical.


“Informaram que […] eu deveria estar preparada para o pior. Também disseram que seria um milagre se meus exames voltassem ao normal. Que era basicamente impossível do ponto de vista médico, mas eles esqueceram uma coisa: com Deus tudo é possível”, acrescentou Jaylee.

Fé + oração = milagre

Após um ano do diagnóstico, ela testemunhou o milagre: “Estou oficialmente curada. Nenhum sinal de doença em qualquer parte do meu corpo. Deus respondeu às nossas orações”.

“Deus me deu conhecimento para compartilhar com outras pessoas que estão sofrendo a mesma provação. Quero que esta seja uma mensagem de esperança para qualquer pessoa que enfrente uma situação aparentemente impossível”, declarou Jaylee, que está escrevendo um e-book para que sua história seja narrada em detalhes e inspire outras pessoas.

De acordo com informações do portal GodTV, ela também compartilhou uma passagem bíblica para inspirar aqueles que têm sofrido com dificuldades que parecem insolúveis: “‘Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me protegem’ Salmos 23:4”, escreveu Haylee.  


PROPAGANDA


Nenhum comentário:

Postar um comentário