window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-SS4D0CGZVY'); Pastor Moises Martins

Páginas


terça-feira, 25 de junho de 2024

Assassinato de agiota Pacovan deve ser elucidado a qualquer momento. 

A Polícia Civil do Maranhão, por meio da Superintendência de Homicídio e Proteção à Pessoa (SHPP), está muito perto de elucidar o assassinato do empresário Josival Cavalcanti da Silva, conhecido como “Pacovan”. As investigações, que já vinham tendo bons resultados com informações obtidas pela PC a respeito do veículo Siena preto utilizado no crime, avançaram bastante nos últimos dias com os depoimentos prestados, no início desta semana, pela viúva e o filho da vítima. Pacovan foi executado na tarde do dia 14 de junho, uma sexta-feira, no interior do posto Joyce (antigo Cavalo de Aço), de sua propriedade, localizado na entrada do município de Zé Doca (MA). Um motorista/segurança do empresário foi atingido com um tiro na barriga e sobreviveu.

Há versões sobre possibilidades de autoria intelectual da execução; uma delas aponta para uma ex-funcionária de Pacovan, que era usada como uma espécie de ‘laranja’ e depositava em sua conta bancária vultosas quantias passadas pela vítima.

O veículo – A Polícia Civil já checou algumas informações sobre o veículo Siena preto que, após o crime, foi incendiado numa estrada vicinal de um bairro da cidade. A placa e o chassi são ‘quentes’; não se trata de um carro roubado. A proprietária que aparece nos documentos reside no Ceará, foi ouvida e disse que vendeu para uma pessoa que passou para uma terceira. A PC do Ceará está seguindo a ‘trilha’ das vendas para ajudar as autoridades maranhenses.

Informações privilegiadas – O autor ou autora intelectual do crime estava passando informações privilegiadas aos pistoleiros. Os três homens que ocupavam o veículo – dois dos quais desceram e crivaram o empresário de balas – sabiam que Pacovan estava indo para Zé Doca. Segundo a ex-funcionária dele, que já foi ouvida e prestou um depoimento que deixou algumas dúvidas. Os dois teriam se comunicado pelo celular, conforme os depoimentos da viúva e do filho da vítima. Os pistoleiros chegaram ao posto Joyce seis minutos depois de Pacovan.

Depoimento inconsistente – Algumas inconsistências marcaram o depoimento da ex-funcionária de Pacovan. É provável que nos próximos dias a rumorosa execução do empresário Josival Cavalcante da Silva esteja elucidada.

Reveja o momento em que Pacovan foi executado. (O Informante)

Nenhum comentário:

Postar um comentário