window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-SS4D0CGZVY'); Pastor Moises Martins

Páginas

sexta-feira, 5 de janeiro de 2024

Guardas municipais são assassinados enquanto faziam segurança em fazenda, em Junco do Maranhão


Os corpos de dois guardas municipais da cidade de Cândido Mendes, a 197 km de São Luís, foram encontrados nessa quarta-feira (3), próximo ao rio Gurupi, no município de Junco do Maranhão, a 270 km de São Luís.

Eles foram identificados como Antônio Wilson da Silva Santos, de 53 anos, e Ailson da Paixão Torres, de 44 anos, que estavam desaparecidos desde terça-feira (2).

Segundo a Polícia Civil do Maranhão, a principal linha de investigação é que os guardas tenham sido assassinados por causa de conflitos agrários.

Antônio e Ailson estavam trabalhando como vigilantes particulares em uma fazenda, no povoado Vilela, em Junco do Maranhão e, na última terça, eles saíram de moto para realizar rondas na área e desapareceram.

Os corpos foram encontrados por moradores da área, nessa quarta, com sinais de violência. A moto usada pelos vigilantes também foi encontrada próximo aos corpos das vítimas.

De acordo com a polícia, os homens foram mortos a tiros, com armas de grosso calibre. Os corpos de Antônio e Ailson foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de São Luís, para serem periciados.

A Polícia Civil está investigando o caso e ainda não tem informações sobre a autoria do duplo homicídio e nem as circunstâncias do crime.

PM esfaqueado na mesma área

Os guardas municipais foram mortos na mesma área onde, no dia 29 de novembro do ano passado, um policial militar identificado como 'Cabo Filho' foi esfaqueado e amarrado por manifestantes. Os autores da ação criminosa realizavam um protesto na MA-206, entre Junco do Maranhão e Amapá do Maranhão.

O protesto foi realizado por moradores da Comunidade Vilela, que fica dentro de uma área em que uma família diz que é dona da área. Em 2008, no entanto, um fazendeiro surgiu no local e se diz dono da propriedade.

O policial militar, que estava saindo do trabalho, teria tentado furar o bloqueio e acabou entrando em conflito com os manifestantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário