window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-SS4D0CGZVY'); Pastor Moises Martins

Páginas

quarta-feira, 6 de setembro de 2023

O médico bolsonarista Allan Garcês assumirá o mandato de deputado federal com nomeação de André Fufuca por Lula para  ministério do esporte

Reforma ministerial dar mandato a médico maranhense Alan Garcês, ele vai fortalecer a oposição a Lula

O médico bolsonarista Allan Garcês assumirá o mandato de deputado federal com indicação André Fufuca para ocupar um ministério dos esportes pelo presidente Lula.

O primeiro suplente do PP do Maranhão não está convencido de que Jair Bolsonaro "perdeu" a eleição de 2022. Bolsonarista de carteirinha, o médico Allan Garcês assumirá o mandato de deputado federal com confirmação da ida de André Fufuca para o ministério dos esportes no governo Lula.

Lula trocou o comando de ministérios para conquistar o apoio de parte das bancadas do PP e do Republicanos na Câmara. Fufuca foi o indicado do PP para assumir a titularidade de uma pasta no governo federal.

Allan Garcês, médico ortopedista e professor de medicina na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), assumirá o mandato se a nomeação de Fufuca for oficializada. O perfil de Garcês no Twitter é repleto de críticas ao governo Lula.

“O ‘derrotado’ Jair Bolsonaro sendo ovacionado. Você acredita mesmo que esse homem foi derrotado? Isso foi hoje em Ribeirão Preto”, disse Garcês, no dia 30 de abril, ao postar um vídeo de Bolsonaro no interior de São Paulo.

Em outra postagem, no dia 12 de maio, Garcês afirmou que uma “quadrilha” assumiu o controle do governo federal com a vitória de Lula. Oito dias depois, o suplente do PP afirmou que sentia vergonha de ter pertencido às Forças Armadas. “Vejo com muita tristeza que aquele brio e a honra das FFAA se perderam com os anos”, escreveu.

Após a indicação de Cristiano Zanin ao STF, em junho, Garcês declarou que não existia nenhum “resquício de ética e moral neste governo”.

A última postagem de Garcês foi no dia 1º de julho e compilava justificativas bolsonaristas para o Brasil ter se convertido em uma ditadura comunista. “Direito político cassado por crime de opinião e discordar do sistema”, dizia um dos tópicos, referindo-se à inelegibilidade de Bolsonaro.

Em 2019, Garcês foi indicado para trabalhar no Ministério da Saúde por Luiz Henrique Mandetta, que precisava nomear bolsonaristas para agradar o então presidente. Garcês se aproximou de Bolsonaro em 2016, época em que defendia o impeachment de Dilma Rousseff e liderava o movimento Nas Ruas no Maranhão. O médico também palpitou na formulação do plano de governo de Bolsonaro na campanha de 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário