window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-SS4D0CGZVY'); Pastor Moises Martins

Páginas


quarta-feira, 15 de maio de 2024

 Morre radialista Washington Rodrigues, aos 87 anos, ex-técnico do Flamengo.


Morreu o jornalista Washington Rodrigues, nesta quarta-feira, aos 87 anos. Apolinho, como era conhecido, estava internado e tratava um câncer. Ele fez história na Rádio Tupi e também foi técnico do Flamengo.


O que aconteceu

O Velho Apolo estava afastado da rádio. A última transmissão que teve a participação dele foi Bolívar 2 x 1 Flamengo, na Libertadores, em 24 de abril.

RELACIONADAS

A notícia da morte foi confirmada pela Rádio Tupi, onde ele trabalhava, durante a goleada do Flamengo sobre o próprio Bolívar, no Maracanã.


Em outubro do ano passado, o jornalista revelou que fazia tratamento contra tumores no fígado. "Estou muito fragilizado devido a um câncer que eu contraí e retirei do intestino. Depois, apareceram mais três no fígado. Eu tô batalhando com esse bicho, mas não me ganha, não, porque tenho sangue rubro-negro", disse em entrevista à Rádio Gaúcha de Porto Alegre.


Washington Rodrigues começou a carreira na Rádio Guanabara, atual Rádio Bandeirantes Rio de Janeiro. Ele teve passagens ainda pela Rádio Nacional, Rádio Globo e Rádio Tupi, onde estava desde 1999.


O apelido "Apolinho" surgiu na Rádio Globo. À época, a empresa tinha comprado equipamentos de comunicação que os astronautas utilizaram na missão Apollo 11. Entre esses, estava o microfone utilizado por ele. "Lá vai o Washington Rodrigues com o seu Apolinho", dizia Waldir Amaral.


O radialista cobriu 11 Copas do Mundo. A primeira delas foi em 1970, quando o Brasil se sagrou tricampeão.


Técnico do Flamengo

Washington Rodrigues era um declarado e fanático torcedor do Flamengo. Porém, cativou todas as torcidas do Rio de Janeiro.

A passagem mais marcante com o clube de coração foi quando assumiu o comando do time. Em 1995, no ano do centenário do Rubro-Negro, ele foi convidado para substituir Edinho à beira do gramado. Aceitou e teve o técnico Arthur Bernardes como auxiliar.


Apolinho colocou uma TV no banco de reservas para acompanhar os jogos. "A vida inteira eu vi o futebol de cima. É uma coisa. Onde ficam os treinadores, não se tem a noção do conjunto. Eu, ao menos, não conseguia enxergar. Então tive essa ideia", explicou, em entrevista ao Museu da Pelada.


O radialista esteve à frente do time em 26 jogos. Foram 11 vitórias, oito empates e sete derrotas.


Ele ainda teria mais uma passagem pela Gávea. Em 1998, foi diretor-técnico do clube.

Nenhum comentário:

Postar um comentário