quarta-feira, 21 de agosto de 2019

SOCIEDADE

Filho diz que Flordelis foi “mentora intelectual” da morte de pastor

Filho relata que deputada teve acesso ao celular do pastor depois do crime.

Anderson do Carmo, Misael e Flordelis. (Foto: Reprodução)

Durante depoimento prestado no dia 18 de junho, a policiais da Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, Wagner Andrade Pimenta, um dos filhos adotivos de Flordelis e do pastor Anderson do Carmo, afirmou acreditar que a mãe foi a “mentora intelectual” da morte do pai.
Wagner e o irmão Daniel dos Santos de Souza foram os primeiros a serem ouvidos pelos investigadores e teriam atribuído à Flordelis participação no assassinato, segundo o Extra.
Outros três filhos adotivos, que também prestaram depoimentos a polícia, relataram a possível participação da deputada federal. São eles: Luan Santos, Kelly Cristina dos Santos e Roberta Santos.
Ainda em depoimento, Wagner disse que “manipulando os filhos, [a mãe] encontrou alguém com coragem para matar Anderson”.
Flávio dos Santos Rodrigues, filho biológico apenas de Flordelis, e Lucas Cézar dos Santos, filho adotivo do casal, já respondem pela morte de Anderson.
O filho biológico de Flordelis teria sido o responsável por atirar na vítima, já Lucas auxiliou com a compra da arma do crime, mas a participação de outras pessoas não está descartada.
Em suas declarações à polícia, Wagner contou que a mãe havia lhe relatado uma desconfiança de que Anderson estivesse “dando a volta nela com relação à dinheiro”.
No depoimento ele também relata que o pai ficou internado em outubro do ano passado, sendo que na época não se sabia o motivo, mas hoje sabe que estavam dopando o pai, que chegou a perder 20 quilos.
Outros três filhos do casal também confirmaram que o pastor estava sendo dopado por medicamentos dados a mando de Flordelis.
Em outro depoimento, prestado no dia 24 de junho, Wagner relatou que descobriu que Flordelis usou o celular da irmã, Marzy Teixeira, para enviar mensagem pedindo que Lucas matasse Anderson.
Segundo ele, Marzy compartilhou isso com sua esposa, Luana, admitindo que foi a deputada quem escreveu as mensagens pedindo a morte do marido.
Ele também contou a polícia que teve acesso ao telefone do pai, após o crime ter ocorrido, que o aparelho estava de posse do motorista da mãe, Marcio da Costa Paulo.
No aparelho, conseguiu recuperar a mensagem pelo sistema da Apple, e a fotografou com seu celular, que foi entregue à polícia. O aparelho depois foi entregue para a deputada.
Gospel Prime

Nenhum comentário:

Postar um comentário