window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'G-SS4D0CGZVY'); Pastor Moises Martins

Páginas


domingo, 7 de julho de 2024

 Parceria interestadual

Bombeiros maranhenses sobre o comando do Coronel Célio Roberto são enviados para ajudar no combate aos incêndios florestais na Amazônia

Ao todo, 16 agentes foram escalados, nessa sexta-feira (6) para oferecer suporte nas operações em curso na Amazônia. As queimadas na região são as piores nos últimos 20 anos.


16 bombeiros maranhenses foram enviados, nesse sábado (6), para ajudar no combate aos incêndios, de grandes proporções, que têm atingido a região da Floresta Amazônica, no estado do Amazonas. Os agentes foram escalados para oferecer suporte nas operações em curso na Amazônia, nos municípios Humaitá, Apuí, Boca do Acre, Novo Aripuanã e Lábrea, reforçando as linhas de frente no combate às chamas. O efetivo deve permanecer 120 dias na região.


De acordo com os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a Amazônia apresentou 13.489 focos de incêndio no primeiro semestre, tornando as queimadas as piores dos últimos 20 anos. Os focos de incêndio já comprometeram grande parte, também, do Cerrado.


O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA), coronel Célio Roberto, afirma que a ratificação da cooperativa interestadual tem como objetivo a preservação florestal, o que ele considera ser de interesse comum de todas as pessoas.


"Esta iniciativa é parte de um esforço conjunto do Maranhão e outras unidades federativas para apoiar aquela região e mitigar os incêndios florestais que ameaçam a biodiversidade e o meio ambiente da Amazônia. Por determinação do governador Carlos Brandão, nossos bombeiros, treinados e equipados, se unem a esta causa pela preservação das nossas florestas”, enfatizou.


Os agentes foram escalados para oferecer suporte nas operações em curso na Amazônia, nos municípios Humaitá, Apuí, Boca do Acre, Novo Aripuanã e Lábrea, reforçando as linhas de frente no combate às chamas. O efetivo deve permanecer 120 dias na região.



Nenhum comentário:

Postar um comentário