Páginas


terça-feira, 1 de março de 2022

Greve na quinta-feira 

São Luís sem ônibus: Rodoviários voltam a paralisar atividades na próxima quinta-feira

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Marcelo Brito, confirmou, em entrevista ao programa Comando da Manhã, na Rádio Timbira, nesta segunda-feira (28), que o sistema de transporte coletivo voltará a ser paralisado na próxima quinta-feira (03/03).

Segundo ele, a decisão foi tomada após o fracasso nas audiências realizadas, na semana passada, no Ministério Público do Trabalho (MPT/MA), onde os empresários alegaram que continuam sem condições de conceder qualquer aumento de salário à categoria.

Com o aumento de passagens em 20 centavos, a Prefeiturar de São Luís disse que irá reduzir o repasse para os empresários de R$ 4 milhões para R$ 1,5 milhão por mês, a título de auxílio emergencial. Os empresários, mesmo como o aumento de passagens, querem que a Prefeitura mantenha o repasse mensal de R$ 4 milhões.

milhões.

No total, em duas greves dos rodoviários, os empresários garantiram repasse de quase R$ 30 milhões dos cofres públicos, sendo que nenhum aumento foi concedido aos rodoviários.

“Nós queremos que eles nos paguem os atrasados e que respeitem a nossa data base. Nós vamos parar na próxima quinta-feira. Espero que não tenha determinação para que eu seja preso. A categoria não aguenta mais essa situação de salários e benefícios atrasados”, disse o presidente do Sindicato. Ele acrescenta que haverá uma reunião na quarta-feira (02) para definir as ações de paralisação de todo o sistema.

Na verdade, os rodoviários continuam em estado de greve, com 60% da frota em circulação. Como não houve acordo, a categoria pretende retomar a greve com 100% de paralisação.

Os rodoviários esperam, ainda, que o prefeito Eduardo Braide sancione a lei, aprovada na Câmara Municipal, que proíbe o acúmulo de função no sistema. Com a demissão de quase metade dos cobradores, motoristas passaram a exercer dupla função e recebendo, por isso, uma gratificação irrisória. Com a sanção da lei, empresários terão que voltar a contratar cobradores.

Como aconteceu em greves anteriores, á possível que a Justiça do Trabalho volte a determinar que 80% da frota permaneça em circulação e estipule uma multa diária, em caso de descumprimento. A Justiça não poderá mais decretar prisão de sindicalistas, pois essa medida ditatorial foi proibida pelo STF.

Com informações do Gilberto Lima 

Nenhum comentário:

Postar um comentário