sexta-feira, 16 de julho de 2021

 

Atenção máxima: São Luís está com índice de transmissão de doenças respiratórias em nível muito alto



Os dados foram divulgados hoje no Boletim InfoGripe

Boletim InfoGripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), indica que os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) podem ter parado de cair em sete capitais, e há tendência de crescimento nos casos em Macapá (AP), Manaus (AM), Porto Alegre (RS) e Vitória (ES). São Luís (MA) é uma das capitais onde a transmissão comunitária é considerada muito alta.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (16) pela fundação, que recomenda cautela na flexibilização das medidas de restrição e alerta que é fundamental manter os cuidados individuais e coletivos contra a transmissão da covid-19.A doença é a causadora de 98% dos casos de SRAG submetidos a testes no país, e, por isso, a síndrome é um dos parâmetros usados por pesquisadores para acompanhar a evolução da pandemia.

Os indícios de estabilização dos casos e óbitos de SRAG foram encontrados pelos pesquisadores no Plano Piloto de Brasília e arredores, em Florianópolis, João Pessoa, Recife, Rio Branco, Rio de Janeiro e Teresina.

Quando a análise se concentra nos estados, 20 das 27 unidades da federação tendem a ter redução dos casos e óbitos por SRAG, em uma análise de longo prazo, que abrange as seis últimas semanas. Amazonas e Amapá apresentam tendência de crescimento, enquanto Acre, Distrito Federal, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rondônia tendem a manter o mesmo nível de casos e óbitos por SRAG.

Na análise de curto prazo, que considera as últimas três semanas, o cenário é de maior estabilidade: cai para cinco o número de unidades da federação com tendência de queda na incidência de SRAG, enquanto apenas Rondônia indica crescimento. Para as demais, a tendência é manter o patamar dos casos e mortes pela síndrome respiratória.

Diante desse cenário, a Fiocruz recomenda cautela na hora de flexibilizar o distanciamento, para que a tendência de queda nos casos possa ser mantida por tempo suficiente para que o número de vítimas e internações seja significativamente baixo. Para os estados com sinal de retomada do crescimento e estabilização, a recomendação é reavaliar as flexibilizações adotadas.

Transmissão comunitária – Das 27 capitais, dez foram classificadas com nível transmissão comunitária da doença “extremamente alto”: Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Macapá (AP), Maceió (AL), Porto Alegre (RS), São Paulo (SP) e Teresina (PI).

O maior grupo, de 12 capitais, apresenta transmissão em nível muito alto: Aracaju (SE), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Manaus (AM), Natal (RN), Porto Velho (RO), Recife (PE), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e São Luís (MA).

Já Belém (PA), Boa Vista (RR), Cuiabá (MT), Palmas (TO) e Vitória (ES) foram classificadas um degrau abaixo, no nível alto.

O boletim alerta que essa situação “manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos, com tendência de agravamento nas próximas semanas caso não haja nova mobilização por parte das autoridades e população locais”.

(Com informações da Agência Brasil)

Nenhum comentário:

Postar um comentário