sexta-feira, 5 de março de 2021

Josimar de Maranhãozinho e Pastor Gildenemir da igreja Assembleia de Deus  são citados em investigação sobre corrupção em verbas para Covid-19 no Maranhão

O esquema foi denunciado por Eudes Sampaio (PTB) ex-prefeito de São José do Ribamar um dos prefeitos abordados pelo grupo



Três deputados do centrão, que fazem parte da base de apoio cooptada por Jair Bolsonaro na Câmara Federal, foram mencionados em anotações manuscritas e mensagens de aparelhos celulares apreendidos pela Polícia Federal durante ação sobre supostos desvios de recursos de emendas orçamentárias destinadas à saúde e ao combate à Covid-19 no Maranhão.

Josimar Maranhãozinho (PL-MA), Pastor Gildenemyr (PL-MA) e Bosco Costa (PL-SE) estariam envolvidos em um esquema de extorsão a prefeitos do estado, que eram ameaçados para devolver 25% dos valores recebidos em emendas destinadas aos municípios como propinas para a organização criminosa.

O esquema foi denunciado por Eudes Sampaio (PTB) ex-prefeito de São José do Ribamar um dos prefeitos abordados pelo grupo,

O chefe da organização seria o agiota Josival Cavalcanti da Silva, conhecido como Pacovan, dono de postos de gasolina no estado que seriam usados para lavagem de dinheiro.

Uma lista apreendida pela PF cita recursos que seriam repassados pelos três deputados bolsonaristas, junto ao valor correspondente da propina, de 25% do valor.

Bosco Costa teria direcionado emenda de R$ 4.123.000 (R$ 1.030.750 em propina referente à parcela de 25%), Josimar direcionou R$ 1,5 milhão (com R$ 375 mil de propina) e Pastor Gil, R$ 1.048.000 (R$ 262 mil de propina).

Alinhados com Bolsonaro

Os três deputados fazem parte da base de apoio que foi cooptada por Jair Bolsonaro desde a reforma da Previdência, quando o presidente liberou mais de R$ 7 bilhões em emendas para aprovar o projeto de Paulo Guedes, ministro da Economia, na Câmara.

Bosco Costa é o político sergipano mais alinhado com o governo Jair Bolsonaro, com 97% das votações alinhadas ao Planalto.

Pastor e jornalista, Gildenemyr é companhia habitual de Bolsonaro nas viagens ao estado e mantém um tópico específico em seu instagram para divulgar seus encontros com o presidente.

Josimar Maranhãozinho foi um dos políticos que mais recebeu verbas de emenda do presidente. Em entrevista ao Uol em junho de 2020, Maranhãozinho disse que foi uma “questão de sorte”, por sua agenda ter sido focada na saúde, que ganhou prioridade durante a pandemia do coronavírus.

“Isso foi uma questão de sorte, porque eu aloquei as minhas emendas individuais todas na saúde. E, como teve a pandemia, o governo priorizou essa área”, afirmou.

Com informações da Folha de S.Paulo e blog do Gilberto Lima 

Nenhum comentário:

Postar um comentário