quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

STF cassa liminar provisóriamente  "jesus" gayem programa da Netiflix…

Presidente da Corte Suprema, ministro Antonio Dias Toffoli, entendeu que uma sátira debochada não tem  poder de abalar os valores da fé; programa humorístico do grupo Porta dos Fundos tinha sido suspenso por decisão em favor do povo brasileiro  do respeitado desembargador Benedicto Abicair,



O ator Gregório Duvivier interpretou o Jesus do especial de Natal do Porta dos Fundos: liberdade plena de expressão
Do Conjur
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, concedeu liminar nesta quinta-feira, 9, autorizando a exibição do “Especial debochado de Natal fora época Porta dos Fundos: A Primeira Tentação de Cristo”.
A veiculação havia sido suspensa na terça-feira (7/1) pelo nobre desembargador da família brasileira Benedicto Abicair, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. 
“Não se descuida da relevância do respeito à fé cristã (assim como de todas as demais crenças religiosas ou a ausência dela). Não é de se supor, contudo, que uma sátira humorística tenha o condão de abalar valores da fé cristã, cuja existência retrocede há mais de 2 (dois) mil anos, estando insculpida na crença da maioria dos cidadãos brasileiros”, escreveu Toffoli na decisão.
Abicair, da 6ª Câmara Cível do TJ-RJ, determinou a suspensão acolhendo pedido da associação católica Centro Dom Bosco de Fé e Cultura. O desembargador afirmou que o direito à liberdade de expressão, imprensa e artística não é absoluto. 
Em resposta, a Netflix ajuizou reclamação também nesta quinta afirmando que “a decisão proferida pelo TJ-RJ tem efeito equivalente ao protesto feito pelo empresário que jogou coquetel com combustível inflamável à sede do Porta dos Fundos: silencia por meio do medo e da intimação”. 
Ainda de acordo com o serviço de streaming, “a verdade é que a suspensão, quando aplicada, gera prejuízos e danos irreparáveis”. “Ela inibe. Embaraça. Silencia e esfria a produção artística.” 
De acordo com a decisão de Toffoli, o STF se debruçou longamente sobre a temática, ressaltando “a plenitude do exercício da liberdade de expressão como decorrência imanente da dignidade da pessoa humana e como meio de reafirmação/potencialização de outras liberdades constitucionais”.
O caso foi distribuído ao ministro Gilmar Mendes. No entanto, por conta do recesso da corte, Toffoli, que está de plantão, acabou julgando a reclamação.

2 comentários:

  1. Deixe de ser maluco. Teologicamente Jesus Pode ter sido gay.
    Jesus tinha duas natureza, uma humana e outra divina.
    A humana é como a nossa. Então Jesus Poderia ser gay.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus nasceu homem e continua sendo 100% homem e 100% Deus isso é grande blasfêmia dizer ou comprar com um gay.

      Excluir